segurança

segurança

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Crimes Estão Sendo Apurados Com Rigor no Maranhão, Afirma Flávio Dino


flávio-Dino-O-GLOBO

O Maranhão passou a adotar uma nova postura em relação ao combate à criminalidade desde janeiro de 2015. Os crimes estão sendo apurados com rigor e o sistema de segurança está recebendo investimentos para ampliar o efetivo e também para melhorar as condições de trabalho, como aquisição de armamento e investimentos na estrutura para trabalho do Grupo Tático Aéreo (GTA) no interior.
Menos de uma semana após assassinato de mecânico Irinaldo Batalha, no município de Vitória do Mearim, a polícia elucidou o caso e prendeu autor Luiz Carlos Machado e os policiais militares acusados de proporcionarem cobertura para o crime. Também está presa a maioria dos integrantes da quadrilha dos ‘Piratas’ responsáveis pelos crimes na praia de Panaquatira. Parte dos acusados morreu em confronto com a polícia.
O governador Flávio Dino afirmou que embora o problema na segurança ocorra em todo o país, no Maranhão está sendo feito um combate rigoroso. Como exemplo das ações está o apoio da Força Nacional de Segurança Pública, desde abril, após solicitação feita ao Ministério da Justiça, para reforçar a investigação de crimes violentos e finalizar inquéritos para serem remetidos à Justiça.
“Tenho convicção que com as ações que o sistema de segurança está realizando os crimes vão diminuir ainda mais, vamos seguir lutando contra a criminalidade, que infelizmente é um problema em todo o Brasil”, afirmou o governador.
Apurar as causas dos homicídios e responsabilizar os autores dos crimes integra as estratégias do governo para reverter os altos índices de criminalidade, decorrentes do abandono do sistema de segurança, nos últimos. Exemplo do descaso com o setor foi a quantidade de inquéritos que não tiveram andamento pelo descaso da gestão estadual em dotar a polícia judiciária maranhense de condições adequadas de desenvolver o seu trabalho.
Como reflexo da nova postura, o governador solicitou o auxílio da Força Nacional para reforçar o trabalho da polícia judiciária. Em São Luís, no mês de fevereiro havia 250 inquéritos acumulados na Delegacia de Homicídios, 830 na Delegacia Especial da Mulher e 327 na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente. Desde abril, uma equipe composta por investigadores, delegado e escrivão reforça o trabalho da polícia judiciária no Maranhão.
Flávio Dino explicou que a mobilização da Força Nacional no estado é bem diferente da requisição apresentada recentemente na Assembleia Legislativa e que foi recusada no plenário da Casa Legislativa. “Força Nacional nada tem a ver com Exército nas ruas. Nunca teve. Interessante é que os que agora gritam pela Força Nacional, são os mesmos que abandonaram a segurança e permitiram o crescimento dos crimes”, disse o governador.
CRIMINALIDADE NOS GOVERNOS ROSEANA
Durante os últimos quatro anos houve um crescimento da criminalidade no Maranhão. Dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) mostram que em 2010 nos cinco primeiros meses do ano foram registrados 198 crimes de homicídios dolosos, o número teve uma elevação de 2% no mesmo período do ano seguinte e saltou em mais 15% no ano consecutivo, quando foram registrados 231 casos. Os números aumentaram em quase 30% em 2013, com 299 homicídios dolosos de janeiro a maio, e em 2014 o aumento foi de 25%, com 373 casos.
A escalada da criminalidade foi interrompida apenas este ano, quando se comparado com o mesmo período de 2014 houve uma redução de 8%. Em coletiva, o secretário estadual de Segurança Pública, Jefferson Portela, explicou que o Estado está empenhado em reduzir os índices de violência e que desde o início do ano estão sendo realizadas operações intensivas para apreensão de armas de fogo, armas brancas e drogas, que tem uma relação direta com os crimes. 

Além disso, as investigações da Polícia Civil estão sendo criteriosas buscando garantir a justiça na apuração dos casos reunindo todas as provas e indícios necessários, incluindo a investigação de outros crimes aos quais os suspeitos estejam relacionados, para que os autores de crimes não fiquem impunes.

Nenhum comentário: