segurança

segurança

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Belezinha Sinaliza que Não Vai Cumprir Lei do Reajuste dos Professores


Depois que páginas aliadas divulgaram matéria sinalizando que dificilmente a prefeitura de Chapadinha cumprirá a lei que obriga a reajustar os salários dos professores em 11,36% a partir deste mês, o SINDCHAP reagiu e colocou os profissionais da educação em alerta.

“O reajuste do piso salarial dos professores em 2016 é motivo de preocupação tanto para estados e municípios, quanto para os docentes. De acordo com indicadores nos quais se baseiam o reajuste, divulgados pelo Ministério da Educação (MEC), os salários iniciais devem aumentar 11,36%, segundo a Confederação Nacional de Municípios (CNM). Entes federados, no entanto, discordam do índice e calculam um aumento de 7,41%”, diz matéria do Blog do William Fernandes (secretário de comunicação da prefeitura).

Para o SINDCHAP tudo não passa de desculpa. “O Governo Belezinha já se utiliza da desculpa da "Crise" para sinalizar um possível NÃO ao reajuste de 11,36% no Piso Salarial dos Trabalhadores do Magistério” diz o site do sindicato.

Na própria matéria do secretário William, a entidade nacional dos professores detona o argumento das prefeituras. “Ficou demonstrado que não há argumento técnico que justifique a redução da porcentagem de 11,36%. Apesar da crise que está colocada, a arrecadação do Fundeb foi mantida. Temos abertura para pensar em uma fórmula de cálculo, mas não agora para 2016, podemos pensar para 2017”, diz a secretária-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Marta Vanelli.

Após denunciar que – apesar do aumento expressivo das verbas e inúmeros repasses extras – a prefeita Belezinha vem se negando a  pagar o Abono Salarial que foi pago em todos os anos das gestões anteriores, a presidente do SINDCHAP professora Jane Andrade reitera que não motivos que justifique o não cumprimento da lei do reajuste. “Digo e provo por A mais B que não existe crise financeira na Educação de Chapadinha”, finalizou a sindicalista. 

Nenhum comentário: