segurança

segurança

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Márcia Gomes Corta Assessores e Vereadores Prometem Reagir


A presidente Márcia Gomes, depois de um breve recuo, determinou o corte de um dos dois assessores que cada parlamentar tem direito em cada gabinete. Márcia alega que a folha aumentou e estaria ultrapassando o limite legal de 70%, alguns vereadores reclamam nos bastidores, mas por enquanto o parlamentar mais veemente é o vereador Irmão Carlos / PRB que declarou não aceitar a situação.

Irmão Carlos argumenta que no período em que a câmara foi presidida por Nonato Baleco / PDT todos os assessores eram pagos e ainda deu para construir um prédio anexo com várias salas. Irmão Carlos chega a reclamar da passividade com que outros vereadores estariam aceitando o corte dos colaboradores enquanto Márcia mantém pelo menos 10 assessores que a presidência da casa dispõe atualmente.

“Para mim a pior decepção é a gente aceitar a Márcia mexer em nossos assessores. Para ela o que falta mesmo é saber administrar”, disse Irmão Carlos, que a partir da próxima sessão promete levar o problema para a tribuna e esmiuçar as contas da presidente Márcia Gomes.

Ainda de acordo com parlamentares contrários ao corte dos assessores, uma obra no valor de 98 mil reais e a contratação de mais um advogado pelo salário de 6 mil reais serão alvo de questionamentos públicos durante a sessão de quinta-feira, 25.

Márcia Se Diz Obrigada a Cortar Assessores e Defende Reforma do Prédio

Ouvida pelo blog a presidente Márcia Gomes disse que lamenta, mas está sendo obrigada a adotar a medida, que a despesa de contador e advogado que ficavam fora, passaram a ser incluídas nos 70% da folha e que devido à crise os repasses destinados à Câmara praticamente não tiveram acréscimos. Márcia declarou ter cortado 3 servidores da presidência e garantiu que os servidores lotados na presidência servem a todos os parlamentares.

Ainda segundo a presidente, o Ministério Público deu prazo para o pagamento do 13º dos assessores e vem alertando quanto ao limite dos funcionários em 70% da arrecadação. Márcia Gomes disse que – apesar da necessidade – ainda não há novo advogado contratado e que a reforma (no valor de 98 mil) foi realizada e os valores estariam compatíveis com o que foi feito.

Ao fim a presidente Márcia lamentou a situação e ponderou que a responsabilidade jurídica sobre prestação de contas ou ações por improbidade recairiam unicamente contra ela, por isso lamenta a decisão que foi obrigada a tomar. 

Nenhum comentário: