segurança

segurança

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Ainda Há Juízes em Chapadinha e em Berlim


A chamada deste texto que adaptei do conto “O Moleiro de Sans-Souci” (de François Andrieux) cai como luva para a Chapadinha destes dias. Resumidamente a estória relata o drama de um moleiro que tinha o seu moinho nas cercanias de um palácio cujo rei não queria o plebeu como vizinho. O súdito se opôs à ordem e o soberano da Prússia quis saber o porquê da resistência. Foi quando o moendeiro disse-lhe a frase: “ainda há juízes em Berlim”, acreditando na justiça e em algum homem com honradez e poder de julgar colocando-o em igualdade até com o Rei.

A Chapadinha real de 2016 imita a literatura alemã dos idos de 1700 quando uma prefeita com rompantes de rainha medieval avança sobre imóveis de cidadãos comuns contando com a passividade destes e com o subjugo da justiça.   

Nos castelos de sonhos da gestora municipal – além do delírio de querer nomear delegados, promotores e magistrados – todas as leis deveriam lhe autorizar a fazer o que bem entender, seja com o patrimônio público ou com a propriedade dos outros.

Colocado em seu devido lugar o discurso de Belezinha não foi mais que provocação arrogante contra a justa limitação de seu poder, desagrado prepotente à observância da lei e lamurias visíveis de seu despreparo para a vida pública.


Na arquibancada dos acontecimentos, mas conscientes de seus direitos, os moleiros de Chapadinha não esperam outra coisa do judiciário além de equilíbrio para que não recaia em armadilhas e firmeza para que não incida em omissão.  

Nenhum comentário: