segurança

segurança

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

O HAPA Pede Socorro e Quase Ninguém Escuta


Enquanto todas as atenções da mídia e todo interesse dos chamados atores políticos de diferentes lados se voltam para a briga em torno do prédio da prefeitura com os cargos, poder e benesses que ele representa, outro logradouro público padece do mais profundo esquecimento e abandono aos olhos e silêncio de quase todos.

Esse equipamento público desprezado é o único hospital de urgência da cidade denominado Hospital Antonio Pontes de Aguiar, popularmente conhecido como HAPA.

Na noite de ontem, segundo relato de funcionários, a situação de penúria do Hospital se agravou ao ponto de “não ter medicamentos básicos e equipamentos correlatos”, na linguagem do profissional. Ainda de acordo com servidores da Unidade as equipes de plantão são obrigadas a escolher os pacientes mais graves para receber hidratação por meio dos últimos quatro equipos de soro disponíveis numa longa noite de plantão no hospital que atende 80 mil pessoas só em Chapadinha.

“Além de tudo, o aspecto do prédio é de descaso total, nem equipo para administrar sangue tinha ontem, não tem Raio X e só tem uma ambulância funcionando”, relata o profissional que pede socorro em nome dos pacientes e conclama conselho de saúde, ministério público e vereadores para uma visita de fiscalização urgente.

Negligenciado, sem exceção, por todas as administrações municipais até aqui, o HAPA atende às pessoas carentes de Chapadinha e do Baixo Parnaíba que – diferente dos prefeitos, secretários e seus familiares – não têm plano de saúde ou condições financeiras para buscar a rede particular em São Luís ou Teresina.

Sem o apelo de siglas como TRE ou TSE, o HAPA repete seus dramas porque cuida de um povo que parece ter perdido todo valor e importância depois do dia 2 de outubro de 2016.   
   
Foto da Sala de Medicamentos

Um comentário:

Erika disse...

Não diria que o hapa pede socorro e sim os pacientes pedem socorro por incompetência e preguiça de médicos e auxiliares . Na madrugada de sábado minha sobrinha foi pra ter neném no HAPA e foi tratada muito mal e com descaso por uma técnica de enfermagem, teve o bêbê de parto natural e o médico não se deu o trabalho de retirar as placentras de dentro da paciente,que teve hemorragia,e foi encaminhada pra São Luís em estado grave e se encontra no leito de uma UTI,fica a pergunta no ar até quando isso vai continuar acontecendo aqui em Chapadinha pessoas perdendo a vida por descaso desses "profissionais"de saúde?