segurança

segurança

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Prefeitura Confirma Atendimento a Paciente, Desmascara Blog e Estranha Envolvimento de Vereador de Belezinha no Factoide


Depois de culpar Magno Bacelar por um aluguel do governo do estado da década de 1970, os blogueiros de Belezinha agora ousam responsabilizar a gestão de 17 dias pela situação deixada pela ex-prefeita derrotada.

Em nota a prefeitura confirma o atendimento apesar da gestão anterior não haver deixado estoque do remédio receitado para o paciente, com compra emergencial pela Secretaria de Saúde, corrige erros grotescos do blogueiro que publicou o factoide e estranhou que o paciente estive usando o telefone celular do ex-chefe de gabinete de Belezinha, atual vereador Alberto Carlos. Abaixo a íntegra da nota.

A prefeitura de Chapadinha vem a público esclarecer a situação na qual o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS II) foi entregue pela gestão anterior e lamentar que veículo de imprensa publique matéria distorcida e cheia de erros jornalísticos sobre o órgão.

No estoque do CAPS II realmente não foi deixado o remédio receitado ao paciente Leandro Gonçalves de Moura (e não “Neto”, como afirma a matéria), mas o secretário municipal de Saúde, Mozart Jr, determinou uma compra emergencial, que foi recusada pelo paciente.

Paciente Usou Celular de Vereador de Belezinha
Em ligação telefônica entre a equipe do governo e o paciente, realizado por meio do celular do vereador Alberto Carlos (número fornecido pelo paciente para contato), não ficou claro os motivos que o levaram a recusar o remédio, mas a receita apresentada por ele estava assinada pelo psiquiatra Dr José Calado Neto, o mesmo médico que compõe o quadro funcional do CAPS desde a sua inauguração, em 2007.

Mesmo sem entrar em contato com a Secretaria de Comunicação, bastava o blogueiro acessar o CNES, no site do Ministério da Saúde, para confirmar esta informação e evitar o erro cometido em seu texto.

Além do médico psiquiatra, o CAPS II tem na sua equipe dois psicólogos, uma enfermeira especializada em saúde mental, uma assistente social, um terapeuta ocupacional, cinco técnicos de enfermagem, duas recepcionistas, três vigias e assistente de serviços gerais. Tudo em conformidade com a portaria 336 do Ministério da Saúde, de 19 de fevereiro de 2002.


O servidor Luiz Roberto Mendes Araújo Filho, que responde temporariamente pela direção do órgão e diferentemente do que diz a matéria não se chama “Elias”, garante que os serviços estão sendo mantidos com o devido respeito aos usuários, respeitando a dignidade de todos e se coloca à disposição para quaisquer novos esclarecimentos.

Nenhum comentário: