sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Manin Lopes e Levi Murici Devem Disputar Presidência da Câmara


As movimentações de bastidores da eleição da presidência da Câmara Municipal para o período de 2015 a 2016 indicam que os vereadores Levi Murici / PRB e Manin Lopes / PT devem disputar o comando do legislativo municipal.

A prefeita Belezinha teria escolhido Levi Murici como candidato do governo, mas encontra dificuldades para gerar consenso em torno do vereador e depois das eleições a base de apoio ainda não foi refeita.

Já o petista Manin Lopes tem sido incentivado pela oposição a disputar a presidência como nome confiável para manter a independência do parlamento com relação ao executivo e dar continuidade a conquistas democráticas como a transmissão das sessões pelas emissoras de rádios, a tribuna livre e câmara itinerante. 

Manin ainda não se definiu sobre candidatura, mas deve receber o apoio do atual presidente Nonato Baleco / PDT, que fará um pronunciamento tentando convencer o colega a entrar na disputa.


A eleição do novo presidente da Câmara deve acontecer no dia 15 de dezembro.  

Aécio Coveiro do Sarney? Fala Sério!...


Em mais uma bizarrice deste segundo turno presidencial, vejo (até de blogueiros e usuários do facebook que esculachavam Flávio Dino) o argumento de que uma eventual vitória de Aécio teria o efeito de cravar uma bala de prata no lobisomem de bigode chamado Sarney. Esperteza que o eleitor não pode levar na inocência.

Quem apela pra tal premonição desconhece a longa história de compadrio entre os Sarneys e a Família Neves que começou com o próprio Aécio sendo nomeado por Sarney (que, aliás, assumiu a Nova República com a morte de Tancredo – avó de Aécio) para um cargo na Caixa Econômica Federal, isso nos idos de 1985.

Se Sarney deu emprego e até rádio para Aécio Neves, os tucanos tiveram muito como retribuir ao velho oligarca maranhense. Veja recortes e fotos abaixo.  

Sarney foi fiel defensor dos governos tucanos no senado e teve o filho Zequinha Sarney nomeado Ministro do Meio Ambiente, por Fernando Henrique Cardoso, de 1º de janeiro de 1999 a 5 de Março de 2002.

Aécio chegou à presidência da Câmara Federal em 2001 com apoio fechado da bancada sarneísta. Agora adivinhem quem era o presidente do senado no mesmo período? Se respondeu Sarney, errou por pouco, porque o senado era presidido por Edson Lobão, esse que é ministro da Dilma e pai do candidato derrotado por Flávio Dino.

Sarney, feito a imagem e semelhança do PMDB, é aliado de qualquer poder ou governo que o aceite. Da ditadura militar ao período da guerrilheira Dilma, nosso Zé Ribamar desfrutou do banquete do Planalto e não seria um confrade almofadinha-elitista como Aécio a enfiar a estaca no peito do velho vampiro.

O que o eleitor de Flávio Dino precisa entender é que Sarney derrotado no Maranhão e Amapá, se encontra ferido de mortal fraqueza e será enterrado sim por um bom governo e uma boa política do Governador de Todos Nós.  

Jovem Aécio Nomeado Diretor de Loterias da Caixa, Homenageia Sarney 

Nomeação de Aécio por Sarney

Aécio Ganha Rádio de José Sarney 

Sarney Filho Ministro de FHC

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Aprovação de Dilma Sobe Pra 54% e Rejeição de Aécio Aumenta


Dois dados das pesquisas que saíram ontem preocupam a campanha de Aécio Neves: o crescimento da aprovação do governo Dilma e o aumento da rejeição ao candidato tucano.

Com relação à aprovação do governo Dilma, o Ibope divulgou a evolução da aprovação do governo Dilma Rousseff. “Quarenta por cento dos entrevistados avaliavam o governo Dilma como ótimo ou bom. Depois, 39%. E agora, são 43%”.  Na soma dos dados a aprovação do governo agora é de 54%.

Rejeição de Aécio Sobe
Analistas também destacaram o acrescimento da rejeição de Aécio. “Um dado da pesquisa Datafolha chama a atenção: a rejeição do candidato do PSDB, Aécio Neves, subiu quatro pontos percentuais: hoje, 38 % dos eleitores não votariam de jeito nenhum no tucano (eram 34% no dia 9). Enquanto isso, a rejeição de Dilma ficou praticamente estável: passou de 43% para 42%” noticiou o G1, portal da Rede Globo.

O comentarista político da Globo News, Gerson Camarotti, pontuou a crescente avaliação negativa de Aécio Neves. “Isso mostra que a estratégia da campanha de Dilma de desconstrução de Aécio Neves começa a dar certo. Na pesquisa anterior, a rejeição menor do tucano era uma vantagem nesse segundo turno. Mas com a ampliação desse índice, diminui o número de eleitores que poderiam votar no tucano”, diz o analista da Globo.


Os dois dados diminuem a euforia inicial dos tucanos e indicam a necessidade de reação por parte de Aécio, caso queira evitar a vitória de Dilma.   

Militância Pró-Dilma Se Reúne e Decide Deflagrar Campanha em Chapadinha


Um grupo de militantes se reuniu na sede do Sindchap, na noite de ontem (15), para avaliar o quadro político nacional e para deflagrar uma campanha em favor da reeleição da presidenta Dilma Rousseff em Chapadinha.

Além de filiados a partidos políticos que apoiam Dilma como PT e PC do B, o evento contou com a presença de parlamentares, secretários municipais, sindicalistas, militantes sociais, integrantes do movimento estudantil universitário e de personalidades independentes que apoiam a reeleição da presidenta Dilma.

Nos pronunciamentos, os manifestantes reconheceram a divisão da sociedade brasileira em torno de dois projetos antagônicos: um que retirou milhões de brasileiros da miséria e que fez opção pelos mais pobres em sua agenda de desenvolvimento, representado por Dilma; contra as propostas elitistas e a plataforma conservadora, que ameaçam os avanços populares, encabeçadas por Aécio.


Diante da análise, os movimentos sociais presentes traçaram estratégias e elaboram uma agenda de atividades em defesa da manutenção do projeto popular e pela reeleição de Dilma Rousseff, com ênfase para a divulgação e esclarecimentos quanto as conquistas e programas dos governos Lula e Dilma realizados em Chapadinha, como a instalação da Universidade Federal do Maranhão (Campus IV), o Programa Luz Para Todos (que já atende 90% das casas da Zona Rural), Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida, entre outros.

O primeiro ato da campanha será na noite desta quinta-feira (16), com concentração da militância na Praça do Povo, a partir das 18 horas, seguida de deslocamento de carros e motos para uma reunião no Bairro Mutirão.  

O restante da agenda de atividades será divulgado amanhã durante o evento, nos blogs e redes sociais. 

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Datafolha Confirma Empate Técnico entre Dilma e Aécio


A nova pesquisa de intenção de voto do Datafolha, divulgada nesta quarta-feira 15, mostra que a presidenta e candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff, e o candidato do PSDB, Aécio Neves, continuam empatados tecnicamente na corrida presidencial, assim como na semana passada. Aécio oscilou um ponto para baixo e agora está em 45%. Dilma também caiu um ponto e soma 43%. Como a margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, não é possível dizer quem venceria as eleições se o segundo turno fosse hoje.

Se consideramos apenas os votos válidos, que excluem brancos e nulos, Aécio alcança 51% e Dilma sobe para 49% da preferência. Resultado idêntico ao mostrado pelo mesmo instituto na semana anterior. O levantamento foi realizado entre esta terça 14 e quarta-feira 15. Por isso, já contabiliza parte do impacto causado pelo debate da TV Bandeirantes, televisionado na noite de ontem, no eleitorado brasileiro. Os entrevistados que pretendem votar branco ou nulo subiram de 4% para 6%. Já o número de indecisos continua em 6%. O instituto ouviu 9.081 eleitores em 366 municípios.


A última pesquisado Datafolha, de 9 de outubro, mostrava um resultado similar. Segundo o instituto, o ex-governador de Minas Gerais tinha 46% contra 44% da petista, o que também é considerado empate técnico. Em votos válidos, o resultado era igual ao desta semana: Aécio com 51% e Dilma com 49%.

Carta Capital 

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Carta Capital: "Não é Dilma contra Aécio. São Projetos Diferentes de Sociedade"



Uma imperiosa contradição está no ar: como seria possível uma renovação se o tucanato pretende voltar ao passado, e disso não faz mistério? Como seria possível, de resto, que promessas de mudança pudessem ser postas em prática por conservadores empedernidos? Conservador conserva, diria o Chico Anysio de antigos tempos.

Não bastassem as antecipações de Arminio Fraga, candidato a ministro da Fazenda em caso de vitória tucana, a fornecer um trailer de puríssima marca neoliberal, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso apressa-se a esclarecer, entre a ameaça e o didatismo, que quem vota Dilma além de pobre é desinformado. E qual seria a informação correta?

Fraga prontifica-se a informar o globo de um polo ao outro, no debate com Guido Mantega, mediado (mediado?) na Globo por Miriam Leitão: a crise econômica mundial acabou há cinco anos. Gostaríamos de imaginar, na nossa irredutível ousadia, o que pensam a respeito Angela Merkel , ou Barack Obama. Tendemos a acreditar que ambos os citados, e outros mais habilitados à citação, agradeceriam Fraga por sua oportuníssima revelação.  Há incertezas quanto a existência de Deus, mas dúvidas não subsistem em relação a Fraga , seu profeta.

Na linha das revelações , o Clube Militar informa que, com Dilma reeleita, o País estará à beira da sovietização. Há militares ainda dispostos a recorrer a terminologias emboloradas. Ao longo da campanha tucana, corroboradas pelos editoriais dos jornalões, desfraldaram termos mais contemporâneos. Imperdoável é ser “chavista”, ou “bolivariano”. Pois o único, indiscutível chavista brasileiro é Fernando Henrique Cardoso, que provocou a alteração constitucional destinada a permitir sua reeleição. E não hesitou para tanto em comprar votos de parlamentares.

Não invoquemos, de todo modo, exames de consciência por parte da mídia nativa, postada de um lado só na qualidade de porta-voz da casa-grande. Neste exato instante ela transforma em peça eleitoral o vazamento de depoimentos secretos do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, do doleiro Youssef e de sua contadora. Deles emerge uma complexa história, cujo ponto central seria a chantagem sofrida por Lula, por parte de parlamentares da base governista, para forçá-lo a nomear Costa para a direção da estatal.

Era de esperar que a mídia nativa extraísse da manga a carta pretensamente letal. O déjà vu é próprio destas atribuladas vésperas eleitorais desde quando o PT apresenta um candidato à Presidência da República. Lula avisa: “Nunca fui submetido a qualquer gênero de chantagem por parte de congressistas. Fala-se de fatos que teriam ocorrido há dez anos, de sorte que, para averiguar a sua veracidade, seria preciso ouvir o então ministro das Relações Institucionais, o então chefe da Casa Civil, o presidente da Câmara, o líder do PT”.


Tomados em conjunto, comportamentos e eventos dão razão a Lula quando afirma que esta eleição, antes ainda de confrontar Dilma e Aécio, coloca frente a frente dois projetos de Brasil, duas visões profundamente opostas de vida, de mundo, de política, de fé.

Para ler a entrevista de Lula à Carta Capital, clique aqui

Os Comunicadores do Semiárido e o Amor Pelo Nordeste



Entre os dias 9 e 11 de setembro de 2014, em Gravatá, Pernambuco, participei ao lado de outros companheiros do Maranhão do 1º Encontro Nacional de Comunicação Popular promovido pela Articulação Semiárido Brasileiro – ASA. O evento reuniu jornalistas, blogueiros, radialistas e comunicadores comprometidos com a articulação política da sociedade civil organizada, com atuação no Semiárido Brasileiro que vai de parte do território maranhense, passando pelos demais estados no nordeste e incluindo pedaço de Minas Gerais.

As lembranças de tudo o que foi dito, feito e pensado sobre o futuro têm toda relação com o momento eleitoral que acabou por reforçar o preconceito contra uma região vítima da seca e do abandono histórico das classes dominantes, que agora insatisfeita com votação contrária a seus interesses elitistas se lançam numa odienta campanha contra o nordeste.

Durante oficinas, prestações de contas e experiências divididas pela Articulação Semiárido Brasileiro – ASA foi destacado o muito que a entidade ajudou aos agricultores e que desde 2003 passou a ter o governo federal como incentivador e parceiro. 

No encerramento do encontro tive a honra de falar em nome do grupo maranhense, disse que retornava a meu estado com a sensação de não estar só no mundo e emocionado pela cultura e pela disposição de luta dos nordestinos ali reafirmados.


Agora é hora de somar-me ao esforço do povo nordestino e das classes sociais menos privilegiadas. É hora, pois, de ampliar a resistência, fortalecendo a convivência.