terça-feira, 20 de outubro de 2020

Vargem Grande: Geraldo Rodrigues Tem Projeto para Tirar Zona Rural do Isolamento

Trecho entre Canto dos Bois e Sapucaia

 

Tirar localidades do isolamento, fazer e conservar estradas estão entre as prioridades do Geraldo Rodrigues, candidato a prefeito de Vargem Grande. Em seu programa de governo o Geraldo Rodrigues se compromete em realizar o maior programa de abertura e manutenção de estradas vicinais no interior de Vargem Grande.


De acordo com Geraldo é possível destinar parte do orçamento próprio do município, lutar por emendas parlamentares e buscar convênios com os governos estadual e federal para concretizar um programa de estradas que permita tirar muitas localidades do completo isolamento em que encontram hoje.

“Para tristeza dos moradores, hoje temos povoados como Sapucaia, Muntum, Angelim, Barrocão, Malhadinha, Poço Pedrado, Tamanduá, Lavandeira, Faveira e muitos outros no mais completo isolamento, sem estradas e no abandono”, lamentou Geraldo.

“Meu compromisso e abrir estradas e manter as estradas para garantir acesso o ano todo. Com honestidade e usando os recursos com inteligência vamos garantir muitas obras com o dinheiro do próprio município e ainda trazer emendas e convênios para aumentar o programa de estradas a partir de 2021”, finalizou Geraldo Rodrigues.        

domingo, 18 de outubro de 2020

Geraldo Rodrigues Propõe Festival de Música para Revelar Artistas de Vargem Grande

Festival Itacoatiara Amazonas 

 

Uma proposta de Geraldo Rodrigues, candidato a prefeito de Vargem Grande, tem chamado atenção não só do município, mas de toda a região. Em suas palestras e reuniões Geraldo tem defendido a realização de um Festival de Música para Vargem Grande.

O projeto revolucionário na área da Cultura já ganhou nome de FestiVargem e de acordo com Geraldo acontecerá logo no primeiro ano de governo, no final do ano de 2021.

A ideia de Geraldo Rodrigues é incentivar a produção artística e revelar talentos de Vargem Grande para o Brasil.

O projeto é inspirado no Festival da Canção de Itacoatiara, mais conhecido por Fecani. Itacoatiara é um pequeno município do estado do Amazonas que é destaque nacional com a realização de seu festival de música.

Ainda de acordo com o projeto de Geraldo os vencedores do FestiVargem terão garantida a gravação de suas músicas em estúdio profissional, confecção de CDS e músicas divulgadas em plataformas como youtube e spotify.    

“Vargem Grande é uma cidade de cultura popular rica, mas carente de incentivo e investimento do poder público. O FestiVargem será o primeiro de muitos projetos para melhorar nossa cultura e valorizar os nossos artistas”, defendeu Geraldo.




sexta-feira, 16 de outubro de 2020

Magno Bacelar Repudia Fake News sobre Troca de Vice



Valendo-se de erro de digitação do Ministério Público Eleitoral blogs ligados a ex-prefeita Belezinha lançaram a maior fake News desta campanha política em Chapadinha. Em documento que analisava o registro da candidatura a vereador de Júnior Carneiro o Ministério Público acabou colocando o vereador que concorre a reeleição como se candidato a vice-prefeito fosse.

Os advogados da coligação de Magno Bacelar e Isaías Fortes descartaram qualquer intensão de modificar a chapa e anunciaram medidas jurídicas contra manipulação maliciosa do erro de digitação.

Ouvido sobre o caso, o prefeito Magno Bacelar considerou a tentativa de gerar confusão entre sua aliança com Isaías como mais uma demonstração que os adversários temem a força dos dois líderes juntos. “Quando os adversários se apegam a tudo querendo gerar discórdia entre nós, ai é que temos mais certeza de nossa força junto com Isaías. Estamos juntos Magno e Isaías e cada vez mais unidos e motivados na luta pela vitória em 15 de novembro”, disse o prefeito Magno.

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Duas Pesquisas e Nenhuma Verdade

Pesquisa de Belezinha de 2016 - Vitória que não se confirmou

 

Como pode duas pesquisas lançadas no mesmo dia apresentarem resultados tão diferentes? Esqueça os erros formais de uma e de outra, esqueça as mil maneiras de elas estarem tecnicamente equivocadas. A resposta é até mais simples do que se imagina.

Os resultados opostos (e com todo jeitão de tramoia) se justificam pelos interesses dos contratantes. Simples assim!

A que foi contratado pelo blogueiro que é irmão do coordenador de campanha de Belezinha, por meio de uma empresa aberta não tem três meses e cujos números foram antecipados faz dias pelo ex-secretário Aluísio, deu liderança de quem? Ora, Belezinha!

A outra que foi contratada por blogueiro ligado a um deputado que declarou apoio a Higor, aponta liderança de quem? Higor, claro!

Em contradição com o acirramento e a indefinição que toma conta do cenário, os dois grupos que mandaram fazer pesquisas e, puseram nelas o resultados que quiseram, entraram num já ganhou que não convence ninguém além dos apaixonados de ambos.

De um lado a soberba que se repete, do outro a estreia arrogante do novo imitando a manipulação que prega combater da boca pra fora.  


sábado, 10 de outubro de 2020

Lei Aldir Blanc - Prefeitura e Secretaria de Cultura Garantem Auxílio à Classe Artística de Chapadinha


 

A Lei nº 14.017, de 29 de junho de 2020, que leva o nome do grande compositor Aldir Blanc, foi criada com o intuito de promover ações para garantir uma renda emergencial para trabalhadores da Cultura e manutenção dos espaços culturais brasileiros durante o período de pandemia do Covid‐19.

Após cumprir todas as exigências para garantir os benefícios aos nossos artistas a prefeitura e a secretaria de cultura de Chapadinha convocam as categorias que têm direito para realizar o cadastro conforme é detalhado no banner que ilustra o post.  


quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Mais Um! Belezinha Agora Responde por Crime Ambiental contra o Rio Munim




 

O blog teve acesso com exclusividade a mais um processo que corre contra a ex-prefeita Belezinha. Desta vez ela foi flagrada devastando o Rio Munim usando uma draga de empresa de sua propriedade.

Em meados de 2013 uma draga da Empresa CERÂMICA INDUSTRIAL ANGELIM degradava o meio ambiente com a retirada de argila do leito do rio, quando sofreu uma fiscalização e após a constatação do dano, o Ministério Público Federal entrou com uma ação contra a empresa e seus proprietários.

Inicialmente o processo caiu contra a Empresa Cerâmica Angelim e seu antigo proprietário, porque até então Belezinha não figurava como sócia apesar de ser dona da empresa e do maquinário envolvido na retirada predatória de minérios.





De imediato o Ministério Público pediu a suspensão da retirada e foi de pronto atendido pelo Juiz Federal Ricardo Felipe Rodrigues Macieira. “As irregularidades apontadas pelo DNPM, longe de se restringirem ao dano financeiro à União (CF, art. 20 inc. IX), demonstram a existência de impacto ambiental negativo resultante do empreendimento”, ponderou o magistrado.

Ao analisar fotos e documentos da fiscalização que comprovariam o dano ambiental a Justiça Federal determinou a suspensão das atividades e iniciou o processo por crime ambiental contra Belezinha. “Havendo risco de manutenção de atividade degradante, com a ampliação do panorama de devastação já constituído, é necessária a concessão de medida de urgência, a fim de resguardar, durante a discussão regular do processo, o direito ao meio ambiente sadio. Com tais considerações, DEFIRO o pedido de antecipação dos efeitos da tutela jurisdicional para DETERMINAR a suspensão de quaisquer atividades de lavra ou mesmo retirada de produtos minerais”, determinou o juiz em 28/08/2014.

No meio do processo a situação de Belezinha como proprietária do cerâmica Angelim foi descoberta e ela incluída como ré no processo. “Deve ser deferido o pedido de correção do polo passivo da demanda (sucessão processual), ante a constatação da ilegitimidade passiva dos réus originários e a identificação de quem em tese responsável pela degradação ambiental (MARIA DUCILENE PONTES CORDEIRO), que adquirira o estabelecimento empresarial e figurava como responsável no momento da ocorrência dos fatos objeto da demanda, conforme documentos (fls. 336/379 e 382/384; NCPC, arts. 338/339). Dessa forma, determino a exclusão dos réus originários da lide, doravante devendo figurar no polo passivo MARIA DUCILENE PONTES CORDEIRO (382/384)”, diz a decisão que reconheceu a responsabilidade de Belezinha com a degradação ambiental.



Ainda no curso do processo, Belezinha é apontada como responsável por outro caso de degradação ao meio ambiente. “A ré MARIA DUCILENE PONTES CORDEIRO já havia sido indicada no mesmo relatório de fiscalização da autoridade mineraria como responsável pelo LOCAL DE EXTRAÇÃO 01 - referente à localidade Santa Clara, no Município de Chapinha -, o que levou ao ajuizamento de uma outra ação civil pública contra ela (processo 39636-72.2014.4.01.3700), no âmbito da qual houve a realização de composição entre as partes (fls. 524/525 do respectivo processo)”, acrescenta o juiz Ricardo Felipe Rodrigues Macieira, titular da 8ª Vara Federal.  

O blog pediu pronunciamento da assessoria de Belezinha, mas até agora não teve resposta.

O processo está pronto para a decisão que deve sair a qualquer momento com impactos até neste processo eleitoral. Mas por enquanto, é só mais um caso a atormentar quem se incomoda e quer barrar comentários de redes sociais enquanto fervilham fatos comprometedores na esfera jurídica e policial.

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Belezinha vai à Justiça para tirar do ar vídeo que a relaciona com Josimar de Maranhãozinho


 

A ex-prefeita Belezinha conseguiu na justiça a retirada de um vídeo do comunicador Eduardo Braga que aborda sua relação com o polêmico deputado Josimar do Maranhãozinho.

De acordo com as alegações dos advogados de Belezinha, o vídeo traria termos “qualificativos extremamente depreciativos ao Deputado Josimar Maranhãozinho e o representado Eduardo Braga qualifica o citado parlamentar como aliado e "padrinho político" da candidata em questão, sua imagem (de Belezinha) seria atacada e violada na mesma esteira”, diz a representação.

Belezinha pediu que a justiça condenasse Braga a multa diária entre R$ 5.000,00 a R$25.000,00 em caso de não retirada do vídeo e que proibisse o blogueiro de fazer qualquer nova matéria desfavorável à ex-prefeita Belezinha.

Em liminar, a juíza eleitoral Welinne de Souza Coelho determinou a retirada do vídeo do Facebook e estabeleceu multa de R$ 1.000,00 por dia em caso de descumprimento, mas deixou de atender o pedido de censura definitiva ao jornalista Eduardo Braga.   

Procurado pelo blog, Braga disse não ter sido citado e que desconhece o teor da decisão.