segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Flávio Dino no Canal Livre, Veja a Íntegra



O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) foi o entrevistado deste domingo (15) do programa Canal Live (Band). Dino falou da atual crise financeira que a maioria dos Estados brasileiros têm enfrentado, da relação com o presidente Bolsonaro, sobre os desafios locais e as questões nacionais para o problema. Comandada por Rafael Colombo, a bancada contou também com Thais Heredia, Fernando Schüler e Fernando Mitre.

Assista o programa:




terça-feira, 10 de setembro de 2019

Leda Burett Questiona Motivos de Ataques e Insultos



Do dia 7 de setembro pra cá eu virei a pessoa mais comentada na internet e em rodas de conversa de Chapadinha. E o que eu fiz para merecer considerações maldosas e até mesmo xingamentos públicos? Dancei a música “vou varrendo” e pessoas ligadas à oposição passaram a taxar de palhaçada o que era apenas bom humor e descontração.

Logo em seguida, usaram a visibilidade que a questão tomou para me insultar ainda mais e para mentir sobre atraso de salários que não existem. A prefeitura de Chapadinha está rigorosamente em dia com os funcionários da Limpeza Pública.

Não sou filha de pessoas ricas nem tradicionais da cidade. Talvez tudo que estou passando tenha muito de preconceito, pois nada fiz para merecer ser tratada dessa forma. Não cometi nenhum crime. O gesto que em mim condenam nada tem de imoral ou obsceno! Sou mulher que trabalha para viver e para crescer na vida, por isso posso exigir respeito.

Os que armaram esse alvoroço com meu nome são aqueles que no passado aplaudiam uma ex-prefeita que comprou, alugou e lucrou com um carro compactador de lixo. Isso sim, um crime, um vexame e um verdadeiro escândalo do lixo de Chapadinha. 

Leda Burett - Supervisora Geral da Limpeza Pública do Município de Chapadinha

terça-feira, 3 de setembro de 2019

Lançada Frente Democrática Brasileira



Representantes de 16 partidos declararam ontem apoio ao movimento “Direitos Já”, uma frente suprapartidária e com representantes da sociedade civil criada em defesa do Estado Democrático de Direito. Lideranças nacionais do PT e PSDB, no entanto, não compareceram ao evento, por divergências internas, apesar de integrantes dos dois partidos terem aderido ao movimento. Alas do PT, por exemplo, boicotaram abertamente o evento alegando que o partido estaria à reboque de forças de direita. Num efeito surpresa, o filósofo e ativista político Noam Chomsky apareceu como convidado de honra.

Chomsky fez uma análise do cenário internacional, dando ênfase a ataques a democracias consolidadas, como no Reino Unido, com o Brexit, e nos Estados Unidos, com a Presidência de Donald Trump. Segundo Chomsky, infelizmente o Brasil passa a sentir familiaridade com ataques às instituições democráticas com a Presidência de Jair Bolsonaro. Apesar de “fragilidades democráticas” em países como Turquia e Hungria, ele alertou que o ataque a democracias consolidadas como o que ocorre nos EUA e na Inglaterra é ainda mais alarmante.

Entre ex-candidatos à Presidência da República, Ciro Gomes (PDT) e Eduardo Jorge (PV) marcaram presença. Ciro foi saudado com gritos da plateia quando começou a discursar. Ciro criticou a inconsequência das elites, que ameaça sistemas democráticos. A ex-candidata Marina Silva (Rede) era aguardada, mas não compareceu. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), que tem sido visto como um possível nome para a disputa em 2022, também compareceu.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) gravou vídeo no qual afirma ser necessário que “nos juntemos” para manter as regras da Constituição. Pelo PT, o orador foi o vereador Eduardo Suplicy. Discursaram políticos do PSB, Solidariedade, PL, Podemos, Novo, PV, Cidadania e PDT. O presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, também aderiu, em mensagem por vídeo e disse que as instituições democráticas estão ameaçadas. “Estávamos anestesiados com tanta barbaridade. E isso acaba aqui e agora”, afirmou a ex-senadora e ex-prefeita Marta Suplicy, que já foi do PT e do MDB, mas se desfiliou e anunciou a retirada da vida pública.

O organizador do movimento, Fernando Guimarães, esclareceu que o Direitos Já não é uma “frente com projeto político” e nem um movimento “contra ninguém”. “É um chamado da democracia brasileira, uma iniciativa que surgiu da forma mais informal possível, no dia seguinte à eleição do ano passado, quando percebemos o momento de aflição com a agenda anticivilizatória do presidente eleito, que era afirmada e reafirmada”, disse. O sociólogo cobrou o comprometimento de lideranças políticas com responsabilidade história. Guimarães citou o apoio de petistas, como Fernando Haddad e Aloizio Mercadante, ao movimento Direitos Já, e de tucanos, como o ex-governador Geraldo Alckmin, que não pode comparecer.

O lançamento do Direitos Já ocorreu no Tuca, Teatro da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Tuca), historicamente considerado uma arena de movimentos progressistas. Pelo formato e pelo nome, a frente lançada tenta reviver momentos históricos do país em defesa da democracia durante o movimento Diretas Já, de 1985, em que o país lutava para o restabelecimento de eleições diretas e livres após o período da ditadura militar.

Dom Claudio Hummes, arcebispo emérito da Arquidiocese de São Paulo e Presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia, da CNBB, fez uma exposição inicial em nome de diferentes movimentos religiosos que apoiam o movimento. “Somente sociedade organizada é capaz de pressionar, pacificamente, o poder que está aí dominando e orientando o Brasil”, disse. Dom Claudio falou sobre o drama da Amazônia e ressaltou a necessidade de defesa de direitos dos povos originários. (Valor)


sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Urgente: Revista Veja Localiza Queiroz



A revista Veja respondeu a uma das maiores indagações do governo Jair Bolsonaro: onde está Queiroz? Reportagem divulgada nesta sexta-feira (30) revela que o miliciano, famoso na comunidade de Rio das Pedras, no Rio de Janeiro, que atuou junto à família Bolsonaro, mora hoje no Morumbi, bairro de classe alta da Zona Sul de São Paulo, bem próximo ao Hospital Albert Einstein, um dos mais caros do país, onde continua o tratamento contra um câncer.

Fabricio Queiroz, que atuou como assessor de gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e protagonizou o primeiro escândalo da era Bolsonaro, foi flagrado tomando café tranquilamente, sem ser importunado por ninguém, segundo a revista, na lanchonete do hospital Albert Einstein, às 17h50 da segunda-feira, dia 26.

Citando uma “pessoa próxima”, a cirurgia a que ele foi submetido não resolveu o problema do tumor.

O deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ), trocou mensagens com Queiroz há alguns meses. “Ele escreveu que ainda estava baqueado”, conta. No aspecto físico, Queiroz não aparenta seu delicado estado de saúde. Está apenas ligeiramente mais magro do que no ano passado.


Revista Fórum

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Mostrando prestígio político, Magno Bacelar se filia no Cidadania



O prefeito Magno Bacelar reforçou mais uma vez seu prestígio político ao assinar nesta quinta (29), sua filiação no partido Cidadania.

Ciceroneado pela senadora Eliziane Gama e na presença do presidente nacional da legenda Roberto Freire e do presidente da legenda no Maranhão Eliel Gama, Magno foi recebido em clima de festa.

Na oportunidade, a senadora fez questão de enaltecer a folha de serviços prestados do neo aliado, quer como prefeito, quer como deputado e seu ex-colega na Assembleia Legislativa.

“Chego para somar a esse partido que tem crescido em todo o país e na certeza de que haveremos de contribuir com as discussões a nível nacional, sem esquecer as particularidades do nosso Estado e da nossa cidade de Chapadinha”, disse o prefeito.

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Contra Abuso de Paredões a Palavra Certa é Proibição




Tramita na Câmara o Projeto de Lei 18/2019, de autoria do Vereador Nonato Baleco/PDT, que pretende proibir o uso dos chamados paredões de som em Chapadinha. Pela proposta ficará expressamente vedado o funcionamento dos paredões de som, e equipamentos sonoros semelhantes, nas vias, praças, e demais logradouros públicos no Município de Chapadinha.

No Parágrafo Único, a proposta estabelece ainda que a proibição se estende aos espaços privados de livre acesso ao público, tais como postos de combustíveis, estacionamentos, bares, restaurantes, clubes, associações e demais locais de entretenimento.

De lado oposto à proposta vem a articulação de proprietários de paredões e promotores de eventos defendendo fiscalização mais rigorosa quanto a volume sonoro e outras regulamentações, mas sem proibir de todo as festas.

Não tenho nenhuma sanha conservadora ou repulsa a festas, ao contrário gosto e reconheço os eventos festivos como bons geradores de renda pra nossa gente trabalhadora que precisa. Mas a tranquilidade pública e o sossego são direitos que merecem maior proteção.

Se tomássemos o argumento de que eventos deste tipo ser ganha pão de alguns como absoluto, teríamos que passar a defender toda atividade remunerada como legítima independente de outros resultados para a sociedade, poderíamos colocar – em molde mais extremo – a legalização do tráfico de drogas como exemplo.

As festas de paredões têm seu público e as pessoas que as promovem têm direito de ganhar pelo trabalho, isso desde que não incomodam a tranquilidade das demais pessoas. Neste ponto locais com isolamento acústico e mais afastados do perímetro urbano podem ser boas opções.

Enorme como as estruturas e pujante como o volume das aparelhagens é a evidência de qualquer outra legislação que não proíba festas de paredão em área urbana residencial como porta aberta para abusos.         

Procuradora Admite Mensagens e Pede Desculpas a Lula



Confirmando a veracidade do conteúdo revelado pela Vaza Jato, a procuradora Jerusa Viecili, da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, usou a sua página nas redes sociais na noite desta terça-feira (27) para fazer um pedido de desculpas a Lula pelos comentários feitos em um grupo de mensagens sobre a morte de familiares do ex-presidente.

"Errei. E minha consciência me leva a fazer o correto: pedir desculpas à pessoa diretamente afetada, o ex-presidente Lula", escreveu a procuradora em seu Twitter.

Cerca de uma hora após reconhecer o erro, a procuradora voltou ao Twitter para dizer que o reconhecimento de uma mensagem não autentica o conjunto de revelações da Vaza Jato. 

Jerusa aparece em mensagens reveladas pela série de reportagens do The Intercept em que procuradores ironizam a morte do neto Arthur Lula da Silva, de 7 anos, falecido no dia 1 de março deste ano.