segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Suspeita de Fraude em Urna Eletrônica no Maranhão

Estado de Coisas

O jornal da Band acaba de divulgar com exclusividade que a Polícia Federal investiga possível fraude com manipulação de urnas eletrônicas em Caxias. Segundo a matéria a suspeita teve início quando um candidato a vereador denunciou que mesmo tendo visto sua foto e confirmado, o voto nele mesmo acabou não aparecendo durante a apuração, ficando este sem um único sufrágio na própria seção.

A reportagem teve acesso a laudos que confirmam a violação do mecanismo das urnas e manipulação dos programas, o que, segundo especialistas, poderiam tirar voto para determinados candidatos e acrescentá-los a outros, por exemplo.

Como é o primeiro caso concreto de suspeita de fraude eleitoral envolvendo a novíssima tecnologia brasileira as autoridades ligadas à Justiça Eleitoral (do TRE-MA e TSE) parecem perplexas. O funcionário responsável pelo setor de informática do TRE-MA, embora a reportagem tenha garantido que ele tivera acesso ao relatório há duas semanas, disse que não tinha muitas informações sobre o caso. Já no TSE ninguém tinha conhecimento sobre o inquérito.

Além de jogar suspeitas sobre o sistema de urnas eletrônicas – orgulho do judiciário brasileiro – a reportagem coloca nosso Maranhão mais uma vez na vanguarda do atraso nacional.

#Matéria publicada às 20h e alterada posteriormente para inclusão de dados.

3 comentários:

Isabel torino disse...

Encontro de Coligações, Partidos e Candidatos do Sul de Minas discute indícios de fraudes nas Urnas Eletrônicas nas últimas eleições.

Movimento conta com a participação de representantes de 32 Municípios das Regionais Sul I e Sul II,perfazendo um total de 752 mil eleitores.


Já ocorreram três reuniões, sendo que a primeira ocorreu no dia 31 de outubro passado, na cidade de Campanha/MG,a segunda ocorreu em Santa Rita do Sapucaí, no dia 07 de novembro e a terceira dia 12 de novembro,também em Santa Rita do Sapucaí.

Representantes de Partidos, de Coligações e candidatos após constatação de vários indícios de fraude nas eleições que ocorreram no último dia 05 de outubro em vários municípios, sempre questionados pelos eleitores que querem saber para onde foram os seus votos, decidiram compartilhar as constatações e discutir os indícios, visando contribuir na elucidação dos fatos e assim garantirem a lisura do pleito eleitoral.

Os primeiros indícios foram descobertos por reclamações de eleitores sobre ocorrências de procedimentos contrários ao correto funcionamento das Urnas Eletrônicas nas últimas Eleições de 05 de outubro.



Dentre estas ocorrências destacam-se:

Fotografias dos Candidatos que apareciam no momento do voto eram divergentes da opção digitada pelo Eleitor;
Não aparecimento de nenhuma fotografia de candidato que era a opção digitada pelo eleitor no momento do voto,o que poderia tê-lo induzido a anular o voto,na tentativa de corrigir seu voto. Fotografia que "ia" ao fundo da tela e "retornava" após ser acionada a tecla "CONFIRMA";
Necessidade de várias reteclagens para se obter a "confirmação" do voto;
Finalização do voto antes que o eleitor digitasse a tecla "CONFIRMA";
Várias seqüências de urnas de um mesmo candidato apresentando números iguais de votos e todos pares;
Registro de votos de eleitores já falecidos;

Ante estas e outras ocorrências, soma-se:

O resultado surpreendente e divergente do que apontavam as pesquisas;
Previsão exata do resultado pelos vencedores, em número de votos e percentuais, inclusive percentuais dos votos válidos, dando quais os candidatos majoritários e proporcionais seriam eleitos;
Coincidências estatísticas nos resultados (proporções e quantidade de votos quase constantes;
Percentual de votos nulos, brancos e de abstenções destoantes das médias das outras urnas de um mesmo município,com um alto índice de nulos,o que vem a reforçar que o não aparecimento das fotos nas urnas pode ter induzido o eleitor a anular o voto;
Soma de votos atribuídos aos candidatos, votos brancos, nulos e abstenções, restou maior do que o número de eleitores;
Antecipação dos preparativos de comemoração pelos vencedores;
Campanha modesta e desmotivada dos vencedores;
Apostas com certeza dos resultados, inclusive com acerto sobre a diferença que as urnas apresentariam e os candidatos proporcionais que seriam os eleitos, mesmo em disputas acirradas;
Omissão por parte dos vencedores na Fiscalização de "Boca de Urna" e intensificação na fiscalização do comportamento da Urna nas Seções de Votação;
Dos Comportamentos que demonstram que os vencedores tinham certeza que os resultados que as Urnas apresentariam lhes seriam favoráveis;
Pane no serviço de telefonia celular das 16h às 19h em várias cidades no dia da eleição;
Suspeita da presença de "hackers" hospedados em hotéis em várias cidades nos dias que antecederam as eleições;
Carga efetuada, pelo que já se sabe, em uma Urna Eletrônica no dia 03/10/08, sem a devida convocação de fiscais dos Partidos, das Coligações ou da OAB, conforme estabelece a Resolução do TSE,fato este que poderá se repetir em outros municípios onde possam,vir a ser permitidos a verificação das urnas;
Irregularidades no preenchimento das atas de votação, com identificação de Urna Eletrônica com numeração inexistente ou repetida para Urnas de Seções diferentes;
Todos estes e outros indícios serão discutidos no âmbito da Justiça para se apurar fraudes nas eleições, em especial no que tange a manipulações irregulares nas Urnas Eletrônicas e nos resultados das eleições.



Em suas reuniões os representantes de 32 municípios da Região deliberaram sobre a tomada das seguintes providências:

Que cada Município participante do Movimento Peticione à Justiça Eleitoral requerendo os documentos e arquivos de registro seguintes:
Atas Circunstanciadas das Sessões Públicas de carregamento e inseminação de dados nas Urnas Eletrônicas utilizadas, inclusive das Urnas de contingência;
Tabela de correspondência entre as Urnas Eletrônicas e suas cargas respectivas;
Atas de Votação e Atas de Apuração;
Arquivos com registros dos eventos de Log de todas as Urnas Eletrônicas, inclusive das utilizadas em contingências;
Última versão do software "LOGVIEW" para conversão dos arquivos de log de arquivo binário para arquivo texto;
Arquivos de Registro Digital de Voto – RDV, das Urnas Eletrônicas;
Assinaturas Digitais dos Softwares de funcionamento das Urnas Eletrônicas e que garantem sua autenticidade;
Espelhos e Boletins de Urna com resultado de votação dos candidatos (Proporcionais e Majoritários), por Urna e por Candidato.
Que os arquivos e registros acima, referentes a cada Município, sejam periciados por técnico especialista a ser contratado pelo Movimento para posterior ajuizamento de medida cabível.






Pedimos a colaboração da Imprensa para a divulgação das ações deste Movimento pela Transparência e Segurança do Voto Eletrônico (MTSV), como forma de obtermos resultados na apuração dos fatos.

Desta transparência virá a legitimidade do pleito, a legitimidade dos eleitos, o fundamento das relações políticas numa sociedade que se quer democrática e de direito.

Acaiaca, Andradas, Andrelândia, Arantina, Boa Esperança, Bom Repouso, Borda da Mata, Camanducaia, Cambuquira, Campanha, Cássia, Conceição da Aparecida, Formiga, Gonçalves, Guapé, Guaxupé, Heliodora, Inconfidentes, Itajubá, Lambari, Machado, Monte Sião, Ouro Fino, Paraisópolis, Passos, Piranguinho, Pouso Alegre, Santa Rita do Sapucaí, São Gonçalo do Sapucaí, São Lourenço, Sapucaí Mirim e Varginha.

Isabel torino disse...

MTSV Sul de Minas I e II
O Movimento pela Transparência e Segurança do Voto Eletrônico no Sul de Minas I e II (MTSV Sul de Minas I e II) surgiu após as eleições de 2008, onde várias coincidências aconteceram nas Urnas eletrônicas de 32 municípios do Sul de Minas. E os primeiros indícios foram descobertos por reclamações de Eleitores sobre ocorrências de procedimentos contrários ao correto nas Urnas Eletrônicas.
Esta é a 6ª Reunião do Movimento pela Transparência e Segurança do Voto Eletrônico no sul de Minas I e II. O MTSV no sul de Minas I e II nos dá esperança de comprovar que não somos Perdedores e sim o Povo. São cinco meses de luta e os resultados já apareceram.
Pela 2ª vez nos encontramos em Campanha,onde tudo começou,conhecemos companheiros que são persistentes, com a mesma ideologia e fiéis, por esta razão nosso Movimento tem crescido.
Foram duas reuniões em Campanha, duas em Santa Rita do Sapucaí, uma em Piranguinho, uma em Bom Repouso e uma em Santa Bárbara a 100 km de Belo Horizonte a nível nacional.
O MTSV Sul de Minas I e II esta sendo divulgado em vários Jornais da Imprensa Nacional e Internacional: La comunidad El País da Espanha, na Rede TV Bandeirante e Blogs na internet. O Senado e a Câmara Federal têm uma comissão que já reconhece o MTSV no Sul de Minas I e II,se interessam em demonstrar e provar que há possibilidades de Fraudes nas Urnas Eletrônicas,nas Audiências Públicas.
É isso que nos move a cada minuto a chegarmos à busca de resultados da nossa convicção e dos eleitores.

Campanha, 24 de janeiro de 2009.


Obs: O MTSV Sul de Minas I e II já possui sede em Campanha MG

Renova Saquarema disse...

Em Saquarema-RJ aconteceu um fato muito estranho. Antes das eleições de 2012 era só andar pelas ruas e perguntar em quem o eleitor iria votar que a resposta era unânime: Pedro Ricardo, candidato da oposição. Pois bem, o rapaz perdeu em todas, eu disse todas as 173 urnas da cidade. Perdeu e perdeu de muito. O mais estranho é que hoje, dois meses após as eleições, você vai às ruas e os eleitores continuam unânimes em dizer que votaram em Pedro Ricardo. Seria muito mais cômodo para o eleitor dizer que votou na candidata vitoriosa. Mas não, o eleitor bate o pé afirmando que votou no outro. Curiosamente, é difícil encontrar alguém que confirme que votou na candidata vencedora, que coincidentemente é a esposa do deputado estadual Paulo Melo, presidente da ALERJ. Existem vários relatos da internet e inclusive vídeos no YOUTUBE atestando a vulnerabilidade das urnas eleitorais. Está lá pra quem quiser assistir. Esse triunvirato: Sérgio Cabral, Luiz Zveiter e Paulo Melo atenta contra a democracia. Todos os poderes encontram-se de um lado só da balança, prejudicando a alternância do poder, principal filosofia democrática. O fato é que não adianta espernear, pois o TSE, por mais que existam evidências que comprovem, jamais irá admitir fraudes em suas 'caixas pretas'. O ideal seria que a urna eletrônica emitisse, também, um cupom onde mostrasse em quem o eleitor votou. E que esse cupom fosse colocado numa urna tradicional ao lado dos mesários, para fins de comprovação posterior. Uma coisa é certa: nenhum outro país no mundo, depois de examinar, quis comprar nosso ‘avançadíssimo, rápido e moderno' método de escrutínio, nem o Paraguai.