quinta-feira, 8 de abril de 2010

Visite Chapadinha Antes...

Existe um adesivo circulando em alguns carros da cidade que se diz “Visite Chapadinha Antes que ela se Acabe!” Uau! Quanto humor, Né? Diferente da costumeira agressividade verbal ou braçal dos ditos. Pode até ser cópia... Mas até gostei porque provoca debate.

A peça de propaganda oposicionista arma um quadro de colapso completo da cidade de fazer inveja ao roteiro filme catástrofe “2012”, tão afastado da realidade quanto o ufanismo situacionista que insiste em não encarar os verdadeiros problemas de frente.

O adesivo é eficaz apenas para traduzir as limitações educacionais e até mentais dos autores. Ao invés de escolher temas específicos problemáticos para o atual governo, como exemplo da Avenida Ataliba Vieira, eles colocam tudo no mesmo saco e profetizam que o apocalipse chapadinhense já beira a ladeira do Angelim. Ou será mais certeiro que venha pela Boa Vista?

Em reluzentes carros fixados, o auto-colante é um monumento ao não esquecimento de uma quadra histórica que Chapadinha quase vai à bancarrota. Quando a cidade era dirigida pelo clico familiar dos exibidores das flâmulas.

Chapadinha resistiu a 9 meses (uma gestação completa) de atrasos de salários de servidores, foram 12 secretários de saúde em 4 anos que se encerram por uma intervenção da promotoria e do conselho de saúde na pasta. Uma CPI denunciava desvios, lotava praças e agitava a cidade. Recursos de programas sociais eram devolvidos por desleixo dos burocratas de então.

Nossa comunidade ainda tem problemas evidentes que clamam por manifestações e lutas. Mas, Chapadinha é grande, forte, generosa e tolerante ao ponto receber com bom-humor a nota que prega o fim, produzida por quem tanto se esforçou pra cumprir tal presságio.

4 comentários:

Willian disse...

Alexandre,
Não conheci Chapadinha nessa época, mas conheço hoje. Se realmente tais fatos ocorriam desta forma me vem a tona uma pergunta que faço a você:
Existe alguma diferença entre o momento relatado por você e o momento presente? E se existem diferenças gritantes não seria de bom tom que você as apresentasse no texto?
Um abraço,

Alexandre Pinheiro disse...

Caro Willian,
Pra confirmar fatos narrados acima basta conversar com as pessoas que estavam aqui na época. Quanto as diferenças aponto duas que são de conhecimento geral: o pagamento dos servidores no dia 20 de cada mês que repercute no comércio e no crescimento da cidade e a forma como os governantes recebem as críticas hoje sem agressão física ou perseguição como era comum. O pagamento em dia e o trato civilizado às críticas são antes de tudo uma obrigação das autoridades. Insisto é que não devemos deixar de protestar, criticar e querer mais avanços pra Chapadinha, mas neste percurso devemos prestar atenção num passado de atraso que sempre ameaça voltar. Agradeço a participação.

Marcos Coutinho Lobo disse...

O post é digno de registro nos anais da cidade. Inteligente e realista.

Naldo disse...

Meu caro amigo Alexandre é muito trisre saber pessoas que se diz nosso representante faça esses tipo de propaganda da sua propria cidade, se um dia isso acontecer,com certeza não vai, mas ele tambem contribuiu pra isso. um abraço. Naldo