segurança

segurança

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Paciente Reclama do HAPA e É Destratada por Servidora e Assessora da Prefeita


O esposo de uma gestante reclama do atendimento do HAPA é o mundo cai em cima dele. Segue o que disse o esposo e futuro pai: “vergonha pública, é brincadeira viu! Acabei de levar minha esposa grávida de 3 meses, perdendo sangue ao HAPA, chegando lá, depois de 40 minutos de espera, e isso na "emergência" ai vem o médico, olha pra cara dela e manda ela de volta pra casa, manda ela fazer uma ultras-som urgente, pra saber se o bebê tá vivo. Motivo: no HAPA o aparelho que devia fazer se exame à dias que não funciona”, desabafou Evaldo Sousa, em sua página da rede social Facebook.

Após o comentário de Evaldo uma assessora da prefeita Belezinha e uma servidora do HAPA passaram a taxar Evaldo de mentiroso.

“Quero deixar bem claro que tanto a paciente como o esposo mentiram sobre o real fato dos acontecimentos, quem tiver dúvidas sobre isso é só procurar a direção do hospital que a gente prova. Isso não e feio pra gente que trabalha e feio pra quem se envolver sem sequer saber a real dos fatos!”, disse uma servidora do HAPA que se identifica como Milena Sousa. 

Tanto Evaldo quanto sua esposa reafirmaram que as informações dos aparelhos quebrados partiram de funcionários do próprio HAPA.  

Mas o apelo de Evaldo pelo atendimento da esposa e filho sensibilizou outros internautas e chegou a alguns blogueiros (entre eles o titular desta página) e militantes sociais que se disponibilizaram a acompanhar o caso.

Atendimento de Maria de Lurdes Depois da Reclamação 
Chegando acompanhada da imprensa ao HAPA o atendimento da paciente Maria de Lurdes aconteceu a contento: havia médico (não só um, outros dois foram chamados) e o aparelho de ultra-sonografia estava funcionando.

A blogueira e sindicalista Jane Andrade acompanhou tudo de perto e ouviu de parte da equipe médica garantias que Maria de Lurdes terá pré-natal e todo atendimento necessário até o parto. Ainda de acordo com Jane Andrade o médico que tinha atendido Maria de Lurdes no dia anterior disse que o caso não era de emergência.

O fato em questão causa espécie pela ânsia de servidores da saúde e assessores da prefeita Belezinha em taxar o usuário de mentiroso. Como podemos ver nos comentários que seguiram ao reclame de Evaldo, são várias falhas do HAPA apontadas por diferentes pessoas. Vão querer tapar o sol com a peneira? Vão insistir que se o caso não tivesse sido levado a público e se não tivesse a intervenção da imprensa o atendimento seria o mesmo? Quantos pacientes anônimos e pobres são destratados naquele hospital?

Perguntas para a prefeita e os dirigentes da saúde refletirem ou responderem com um pouco mais de humanidade que os assessores e servidores de plantão no Facebook.  

Um comentário:

Irismar Silva disse...

Chato que as pessoas pra ter os direitos cumprido é necessário brigar? Vergonha!