terça-feira, 2 de setembro de 2014

Fantástico! Participantes Confessos de Emboscada Soltos, Festa Partidária em Anapurus e Globo Prometendo Acompanhar o Caso


De acordo com os blogs do Foguinho e Luis Pablo os quatro acusados confessos de terem participado da emboscada à equipe da Rede Globo, no município de Anapurus, acabaram de ser soltos do Presídio Militar do Comando da Polícia Militar, o “Manelão”, em São Luís-MA.

O Blog do Luis Pablo apurou que a decisão foi da juíza da Comarca de Brejo, Maria da Conceição Privado Rego, que concedeu o alvará de soltura.

Jairo Lisboa de Sousa (Tesoureiro da Prefeitura de Anapurus), Manoel Francisco Monteles, conhecido como ‘Zominha’ e Agnaldo Henrique Alves, conhecido como ‘Risca Faca’, estavam presos desde o dia 25 julho deste ano. O blog do Foguinho também informa a soltura do militar conhecido por Tatá Monteles.

Eles foram acusados de tomarem de assalto, no dia 18 de julho, uma câmera e equipamentos de gravação dos repórteres do Programa do Fantástico, que estavam produzindo uma reportagem sobre obras superfaturadas nas prefeituras de Anapurus e de Mata Roma.

Os profissionais da emissora estavam almoçando em um posto de combustível, quando foram rendidos por sete homens armados. O bando interceptou o carro dos repórteres e, à força, lhes tomou o equipamento.

A TV Globo teria anunciado (ainda extraoficialmente) que deverá acompanhar o caso e cobrar um posicionamento da polícia e do judiciário maranhenses.

Expectativa de Festa Partidária em Anapurus
Segundo moradores de Anapurus uma recepção festiva aos acusados libertos com direito a carreata e desfile em carro aberto estaria sendo programada por partidários da prefeita Tina Monteles e do ex-deputado Paulo Neto.

Nas próximas postagens a repercussão da soltura, informações atualizadas e análises sobre prováveis desdobramentos. 

2 comentários:

Paulo castelo branco disse...

a) Os réus possuem residencia fixa; b) profissões definidas; c) não possuem antecedentes criminais; d) colaboraram com toda instrução do inquérito; e) já foram ouvidos mais de uma vez no inquérito; f) passaram mais de um mês presos; g) O suposto crime cometido por eles é de furto;h) nunca houve qualquer ameaça a qualquer testemunha ou tentativa de destruir qualquer prova.
Diante dessas premissas não havia porque manter-se a prisão dos acusados. Agiu acertadamente a magistrada. Os que são contra essa decisão baseiam-se unicamente em critérios políticos partidários ou na ignorância.

Alexandre Pinheiro disse...

Paulo o suposto crime não foi furto e sim roubo porque supostamente houve violência e ameaça com arma de fogo. Não sei se tecnicamente podemos chamá-los de réus. No mais, concordo com você quantos aos requisitos da soltura. Não critico a decisão judicial, mas estranho o silêncio e falta de informações com relação aos outros participantes da ação contra a equipe de jornalistas.