segurança

segurança

quinta-feira, 28 de maio de 2015

É Pouco? Prefeitura de Chapadinha Recebeu R$ 155 Milhões em 2014

Receitas Correntes de R$ 155.100.000,00 em 2014

A prestação de contas apresentada pela prefeitura de Chapadinha ao Tribunal de Contas do Estado revela que as receitas correntes, que nada mais são do que a soma de todos os recursos administrados pelo município no ano de 2014, superaram a previsão do mais otimista dos cidadãos chapadinhenses , incluindo a própria prefeita Belezinha.

Enquanto algumas pessoas pesaram cometer exagero estipulando que o montante fecharia entre 130 e 140 milhões de reais, a prefeitura de Chapadinha apresentou um total de R$ 155.100.000,00 (cento e cinquenta e cinco milhões e cem mil reais).

Razoável: R$ 155 Milhões 

“O orçamento para o exercício financeiro de 2014 estima a receita em R$ 155.100.000,00 (cento e cinquenta e cinco milhões e cem mil reais) fixada a despesa em igual valor, o que consideramos um desempenho razoável, considerando que os municípios maranhenses que quase na sua totalidade dependem de transferências constitucionais, transferências voluntárias e transferências de recursos de programas do governo federal para sobreviverem”, diz o relatório da prefeitura sobre o volume “razoável” de recursos recebidos, em documento assinado por Belezinha no dia 31 de dezembro de 2014.  

R$ 106 Milhões em Despesas: Onde estão 48 milhões?

Ainda de acordo com a prefeitura, a execução das despesas obedeceram princípios orçamentários e foram distribuídos conforme categoria econômica e setores de aplicação como, por exemplo, saúde e educação. Se no item receitas a prefeitura diz que recebeu 155 milhões, nas despesas aponta um gasto de 106 milhões de reais (106.151.990,79, pra ser exato) divididos em categorias (que serão assunto da próxima matéria), sem, no entanto esclarecer onde foi parar a diferença, no caso superior a R$ 48 milhões.  

Mais do que os R$ 48.948.009,21 da diferença, que podem estar guardados para execução e custeio de obras e programas de 2015 ou mesmo ser uma irrealidade contábil – pela falta de cumprimento de direitos mínimos dos servidores sob a alegação de falta de recursos, pela baixa qualidade dos serviços e do reduzido número de obras – a prefeitura detalhar o que fez ao menos com os 106 milhões já seria um grande desafio.   

Nenhum comentário: